Tema - Penas Temporais
Inserir subtítulo aqui

Cap: V - Penas Temporais

Livro dos Espíritos - Questões: 983 a 989

- O que são Penas Temporais?

As Penas Temporais, demonstram e confirmam a Bondade Divina face aos nossos desajustes e imperfeições que carregamos connosco do nosso passado para o presente.

Reduz ao insignificante e anula, a Dogmática questão dos Infernos Eternos, sendo que os nossos sofrimentos são no fundo o resultado da nossa intermitência em nos mantermos alinhados no caminho reto.

No campo da Dor e Sofrimento cabe a cada um de nós decidir o que pretende obter para si, o caminho do Bem já foi marcado pelos ensinamentos do mestre Jesus, o padrão está definido. Assim com o nosso Livre Arbítrio podemos decidir quando pretendemos deixar de nos confrontar com as Penas Temporais.

A questão 983 do Livro dos Espíritos, faz uma ligação ao sofrimento nos dois planos da vida, sendo referidos os sofrimentos morais e materiais, o plano terreno está apto para os dois, mas não se afirmando uma divisão em planos para aplicação das duas fórmulas - Morais e Materiais.

Importa clarificar que as vicissitudes da nossa vida nem sempre decorrem da nossa vida actual, a falta de orientação e desajustes de hoje têm reflexos na vida futura, as Leis Divinas são justas, sendo as nossas Acções e Reações, balanceadas pela Lei com a mesma definição, a nossa liberdade de acção é única, mas se somos desequilibrados e incorrigíveis sem vontade de mudança, Deus interfere e Aplica a Lei, não como castigo mas como um abrir de caminho balizado que temos que seguir afim de não nos comprometermos ainda mais.

O caminho é sempre de Evolução ascendente, o Espírito esta sempre em Evolução, como observamos na questão 985, poderemos efetivamente estacionar por algum tempo mas nunca regredimos, em consequência disso poderemos ser recolocados em Mundos adiantados, recordando que a graduação na escala dos mundos habitados é muito grande entre os Mundos de referência principal.

Constatamos a ligação entre os Mundos Habitados e a Reencarnação, sendo estes dois pilares importantes da Doutrina Espírita.

É através da reencarnação que retomamos a nossa tarefa de trabalho regenerador seja no projeto individual ou mesmo no colectivo, retornando ao Mundo correspondente e esta situação pode mesmo acontecer com o conhecimento do próprio Espírito.

A reencarnação tem como objetivo a perfeição, depuração do espírito através do trabalho no Bem, se o homem se mantiver numa posição neutra na sua existência, não realizando qualquer mal mas também não tendo qualquer acção no Bem, então algo se apresenta de errado com essa criatura, na questão 987 do livro dos Espíritos, esta questão se revela bem esclarecedora, pois a inercia é um espelho da sua imperfeição.

Como nada no universo está em inercia, parado ou bloqueado, também o espírito esta embebido e envolvido sob essa mesma Lei de Evolução, nesse sentido e como acção despertadora de consciência, o Aguilhão da Dor é a alavanca do leve  avanço da criatura encarnada, a sua libertação da matéria se realiza sem violências ou abusos desnecessários, contudo essa sua lentidão na mudança de postura face ás Leis Divinas , lhe prolongam o sofrimento nas suas provas e expiações.

Em conclusão e com base também na questão anterior, tudo tem uma razão , nada acontece por acaso ou sem utilidade para o Espírito.

Se para uns tudo é sofrimento na sua existência, para outros a felicidade parece nunca lhes faltar, nesta equação temos que aplicar um factor: O Mérito.

Este pormenor é de tal forma importante, que sem ele, Deus poderia parecer injusto e tendencioso, teria falhado, mas se assim fosse, não seria Deus.

A serenidade aparente que é referida na questão 988, é também um alerta para a nossa vida futura, uma vez que o que não foi realizado hoje, nesta vida , terá que ser produzido amanha, na vida futura.

Mas o mérito mais uma vez tem grande influencia, pois essa serenidade ou uma vida de alguma forma sem grandes sobressaltos, poderá ser o resultado de uma existência anterior bem atribulada e cheia de trabalho, mas com sucesso no âmbito das nossas Provas e Expiações.

Devemos agradecer todos os dias pela nossa existência e trabalharmos a nossa evolução para sermos dignos da Bondade Divina e alcançarmos a grande Fatalidade do Espírito, a Felicidade.o poderia ser 

Impressão Espírita - Autor: João Paulo - 03 / 7 / 2019