A Resignação
Inserir subtítulo aqui

A Resignação

Todos nós somos ainda Espíritos em trabalho de transformação que nos encontramos registados neste grande Lar que é o Planeta Terra, que na escala dos mundos habitados, ainda está classificado com sendo de Prova e Expiação.

Neste trabalho contínuo a que estamos submetidos, está claramente implícito e em primeira linha a nossa reforma intima, essa grande modificação dos nossos pensamentos, palavras e acções sendo esta reforma campo fundamental para a modificação da nossa existência presente e futura.

Temos ainda no nosso íntimo e de alguma forma, alguns grandes males que se preservam e se mantêm, mas se torna necessário erradica-los e para tal é importante a vontade de modificação e trabalho constante.

Quantas vezes e face a esta ou outra tormenta que se apresenta na nossa vida, nos revoltamos e de imediato questionamos a Justiça Divina, também em outra posição nos tornamos meros espectadores sem qualquer acção para assumir ou modificar aquele problema, como se nada mais houvesse a fazer e dizendo unicamente é a vontade de Deus...

A Resignação não é sinonimo de conformismo ou inoperância, pois se assim fosse, seriamos simples fantoches sem qualquer vontade ou iniciativa própria, preguiçosos e profissionais da lamentação.

A Resignação implica confiança e Fé, não Dogmática, mas sim racional e esclarecida, compreendendo as Leis Divinas que são Imutáveis e nos regem. Somos os criadores e arquitetos das nossas tormentas e estamos actualmente em trabalho de remissão e depuração face aos problemas pretéritos por nos desenvolvidos contra o próximo e até nós mesmos.

Para encontramos a Paz e a presença de Deus em nosso coração é imperativo a aceitação bem como considerarmos a nossa actual situação como a mais adequada face às nossas necessidades evolutivas de ascensão espiritual.

Olhar para o nosso próximo e ajuda-lo, mostrar capacidade de resiliência e enfrentar o futuro de cabeça erguida, é ser o exemplo para que nesse reflexo outros também se possam rever e seguir o mesmo caminho, pois o seu problema possivelmente não será tão grave quanto o do outro uma vez que este ainda tem força, confiança e vontade de ajudar.

Na compreensão dos problemas de forma esclarecida e com Fé, nos propomos a ficar numa posição de equilíbrio emocional e espiritual, nesse manter de calma criamos uma energia mais benéfica, que nos envolverá e que criamos bem-estar bem como uma melhor predisposição a receber a ajuda dos Benfeitores Espirituais amigos.

Por outro lado a revolta e abandono dos nossos empreendimentos, são factores que nos colocam em grave risco de voltarmos a repetir as experiências nesta ou noutra posição na próxima reencarnação.

Atravessar o mar das provações é uma condição para a depuração, fortalecimento e robustecimento do Espírito, sendo a Dor o aguilhão, que nos orienta e recoloca no caminho reto que temos que percorrer na esteira do tempo milenar da qual somos caminhantes imortais.

A Doutrina Espirita é consoladora na sua essência, paralelamente nos abre as portas da vida futura, prova que a vida não começa no berço nem acaba no túmulo, somos muito mais do que somente este tempo de vida do aqui e agora, tenhamos a Resignação, Confiança e Fé Racional acompanhada de disciplina no trabalho e encontraremos a nossa grande fatalidade, a Felicidade.

                                  Impressão Espírita - Autor: João Paulo - 01/12/2017