" Que Buscais ?"
Inserir subtítulo aqui

"QUE BUSCAIS?"

"E Jesus, voltando-se e vendo que eles o seguiam, disse-lhes: Que buscais?" - (João, 1:38.)

"A vida em si é conjunto divino de experiências.

Cada existência isolada oferece ao homem o proveito de novos conhecimentos.

A aquisição de valores religiosos, entretanto, é a mais importante de todas, em virtude de constituir o movimento de iluminação definitiva da alma para Deus.

Os homens, contudo, estendem a esse departamento divino a sua viciação de sentimentos, no jogo inferior dos interesses egoísticos.

Os templos de pedra estão cheios de promessas injustificáveis e de votos absurdos.

Muitos devotos entendem encontrar na Divina Providência uma força subornável, eivada de privilégios e preferências.

Outros se socorrem do plano espiritual com o propósito de solucionar problemas mesquinhos.

Esquecem-se de que o Cristo ensinou e exemplificou.

A cruz do Calvário é símbolo vivo.

Quem deseja a liberdade precisa obedecer aos desígnios supremos.

Sem a compreensão de Jesus, no campo íntimo, associada aos atos de cada dia, a alma será sempre a prisioneira de inferiores preocupações.

Ninguém olvide a verdade de que o Cristo se encontra no umbral de todos os templos religiosos do mundo, perguntando, com interesse, aos que entram: "Que buscais?"

("Livro: Caminho, Verdade e Vida", Emmanuel / Francisco Cândido Xavier)



Comentando este tema que é transversal a todas as criaturas humanas da Terra.

A Vida é um conjunto de experiencias, como nos refere o Benfeitor, essas vidas são concessões ao serviço do Espírito imortal que somos todos nós, cada reencarnação nos proporciona um amealhar de competências, sejam elas no campo moral ou mesmo intelectual, que nunca mais são perdidas ou diluídas no tempo, como é obvio referimos " competências" como meios de elevação a Deus.

Em virtude ainda da nossa incapacidade de compreender a razão da nossa existência, de onde vimos, quem somos e para onde vamos, nos transviamos do caminho a que nos comprometemos percorrer, desperdiçamos o tempo concedido pelo Divino em batalhas egoísticas e orgulhosas, nos vícios que dilaceram a alma.

Sem análise ou suporte do que pensamos e pedimos ao ALTO, refugiamo-nos numa crosta religiosa de forma a tentar encobrir quem somos de verdade e tentamos obter trocas e negociações, como se estivéssemos numa banca de feira " Ajuda-me Senhor que eu te doarei o valor em dinheiro de X " ou mesmo " irei de rastos até aos teus pés" ou ainda " Não comerei durante X tempo " e com estas promessas, prometemos nos comportar Bem, como se não fosse essa a nossa obrigação perante Deus e todas as criaturas que nos acompanham neste mundo Terreno.

É nesta altura que devemos pensar, " QUE BUSCAIS ", O Divino não é negociante, nem com inclinações ou favoritismo, somos todos iguais, com as mesmas oportunidades e com a certeza na Justiça das Leis Naturais.

Observemos ainda, que os Espíritos que se comunicam através das várias formas possíveis, com os médiuns, não são nossos serviçais para trazer e levar mensagens, pedidos especiais ou ainda pedir soluções milagrosas sem que para isso o nosso esforço tenha qualquer efeito ou trabalho.

Lembremos as palavras do Mestre Jesus " Ninguém chega ao Pai sem Passar Por Mim ", quer isto dizer que o devemos segui-lo, com o exemplo do que foi a sua vida, serviço a todos os que se cruzaram no seu caminho ou ele mesmo os procurou para levar a Paz, Consolo, Proteção ou mesmo a cura de acordo com o merecimento.

Esse serviço e trabalho que nos é pedido pelo Mestre, se inicia em Nós primeiramente, com a nossa Reforma Íntima, começar por eliminar as imperfeições que ainda persistem em nós, dedicarmos alguns minutos ao próximo, escutando e ajudando seja no campo material ou mesmo emocional, sempre sem qualquer objetivo de humilhação, recompensa ou bajulação.

Avancemos sem medo, mas sempre com os sentimentos elevados na certeza que nunca estamos desamparados.

Mas cuidado... com o que BUSCAMOS.

                                                                                             Impressão Espírita - João Paulo - 31/01/2017

.